• 1 agosto, 2021

Saiba onde a insulina deve ser aplicada e como fazer o rodízio5 min

A aplicação de insulina é necessária em muitos casos para o controle glicêmico de pacientes diabéticos. Para quem faz essas aplicações, é importante que alguns passos sejam seguidos para que ela seja aplicada de maneira correta e assim alcance um melhor resultado.

Alterne os locais da aplicação

Recomenda-se sempre alternar os locais de aplicação da insulina, pois, caso seja realizada muitas vezes no mesmo local, pode ocasionar a formação de bolsas de gorduras, nódulos, ou fibroses que prejudicam a absorção da insulina.

Os locais indicados para a realização do rodizio são: 

Abdômen: regiões laterais direita e esquerda, distante três dedos do umbigo;

Coxas: região frontal e lateral, três dedos abaixo da virilha e três dedos acima do joelho;

Braços: região posterior, três dedos abaixo da axila e três dedos acima do cotovelo;

Nádegas: região superior externa.

Lembre-se de:

  • Alternar a coxa ou o braço esquerdo e direito
  • Aplicar em um ponto diferente a cada aplicação. Aplicar no mesmo ponto somente após 14 dias, tempo necessário para a cicatrização, prevenindo a lipohipertrofia.
  • Também é importante realizar a aplicação dividindo a região em pequenas partes, distanciando-as entre 1 a 2 dedos, assim formando pontos distintos em cada região de aplicação.

Em alguns locais deve se evitar a aplicação de insulina seja pela sua baixa absorção ou dores que podem ser causadas durante sua aplicação como:

  • Parte interna das coxas: ao caminhar poderá ocasionar fortes dores, não sendo recomendável aplicar.
  • Evite aplicar próximo de pintas ou cicatrizes, pois, além de dificuldade de perfuração pode ocasionar dores ou causar machucados.
  • Não injetar insulina em uma área que será exercitada na sequência. Os exercícios aumentam o fluxo sanguíneo e isso faz com que a insulina de ação lenta seja absorvida mais rapidamente do que o normal.

Independentemente do lugar onde está aplicando, a insulina deve ser injetada na camada de gordura que fica debaixo da pele, onde será absorvida lentamente, imitando a produção da substância pelo pâncreas.

Seringa ou caneta?

Existem duas formas que você pode usar para aplicar a insulina: a seringa ou a caneta pré-cheia. 

Qualquer que seja sua escolha, não esqueça de seguir à risca as determinações do seu médico endocrinologista com relação à dosagem apropriada para seu caso. Lembre-se que administrar a dosagem incorreta também vai afetar os resultados do seu tratamento.

Seringa

Esta é a opção mais comum, pelo seu custo reduzido, além de ser fornecida pelo SUS. Existem vários tamanhos de seringas de insulina disponíveis no mercado, que variam entre 0,3 a 2 ml de capacidade. Você vai escolher entre essas opções dependendo do intervalo de unidades de insulina que precisa fazer.

Sabendo qual a dose que você precisa injetar, os próximos passos são:

1 – Lavar as mãos e ter o local da injeção limpo. Caso sua pele esteja suja, limpe com a ajuda de uma compressa ou gaze embebida em álcool;

2 – Colocar uma agulha esterilizada em uma seringa de insulina, também esterilizada;

3 – Desinfetar a borracha do frasco de insulina, passando um pedaço de algodão umedecido em álcool;

4- Inserir a agulha da seringa na borracha do frasco de insulina e virar o frasco de ponta cabeça, para que a agulha fique mergulhada em líquido e não puxe ar;

5 – Puxar o êmbolo de seringa até encher como o número correto de unidades. Normalmente, a seringa está dividida com vários riscos que significam 1 unidade e está marcada a cada 10 unidades, para facilitar a tarefa;

6 – Remover a agulha e a seringa, voltando a tampar o frasco, se possível;

7 – Fazer uma prega na pele, utilizando o polegar e o indicador;

8 – Inserir completamente a agulha na prega, num ângulo de 45º a 90º, com um movimento rápido e firme;

9 – Empurrar o êmbolo da seringa até que todo o conteúdo seja liberado;

10 – Esperar cerca de 10 segundos e retirar a agulha de pele. Só solte a prega que fez com os dedos depois de remover a agulha.

Em alguns casos, a recomendação médica é combinar dois tipos de insulina na mesma seringa. Para fazer isso, você deve colocar primeiro a insulina da ação rápida e só depois a de ação mais lenta. Não é necessário trocar a agulha entre uma e outra, mas não a reutilize na próxima aplicação.

Não esqueça de misturar as duas antes de colocá-las na seringa. Para isso, não agite os frascos – role-os entre suas mãos, que a insulina rápida, normalmente transparente, e a lenta, de aparência leitosa, estarão prontas para o uso.

Caneta

A caneta é a opção mais prática que existe atualmente. Mas, é claro, ela é mais cara. O passo-a-passo, neste caso, é o seguinte:

1 – Lavar as mãos e ter o local da injeção limpo. Caso sua pele esteja suja, limpe com a ajuda de uma compressa ou gaze embebida em álcool;

2 – Juntar todo o material necessário – caneta preparada com o cartucho de insulina, agulha e compressa;

3 – Preparar a quantidade de insulina receitada, rodando a caneta e observando o número do visor;

4 – Fazer uma prega na pele utilizando apenas os dedos polegar e indicador;

5 – Inserir a agulha, entre 45º e 90º, com um movimento rápido e firme;

6 – Empurrar o êmbolo, até o fim para injetar a insulina;

7 – Esperar 10 segundos antes de retirar a agulha da pele, para que o líquido entre totalmente no organismo;

8 – Soltar a pequena prega da pele.

Normalmente, a aplicação de insulina não causa dor, nem alterações na pele. Porém, se no momento da aplicação, observar vermelhidão, inchaço, extravasamento de sangue, endurecimento ou sentir dor, interrompa o procedimento e mude o local da aplicação.  Verifique os níveis de glicose e procure um profissional de saúde qualificado para lhe orientar. 

Se tiver mais dúvidas sobre a aplicação da insulina não exite em conversar com um profissional de saúde que poderá te orientar mais sobre o assunto.