• 6 janeiro, 2021

Zen Budismo e vaga-lumes3 min

Uma das criaturas mais estranhas da natureza é o vaga-lume, um besouro de corpo macio que emite um brilho amarelo quente na parte inferior do abdômen, normalmente ao crepúsculo, para atrair companheiros ou presas. 

Embora relativamente raro na Europa e na América do Norte, o vaga-lume é uma visão comum no Japão, onde é conhecido como hotaru. Hotarus são mais abundantes em junho e julho e podem ser vistos em grupos ao redor de rios e lagos. A luz brilhante do hotaru é considerada tão encantadora que os japoneses realizam festivais de vaga-lumes – ou hotaru matsuri – para assistir à dança.

Vaga-lumes em Ochanomizu . Kobayashi Kiyochika (1847-1915)

Algo ainda mais estranho aconteceu ao vaga-lume no Japão: tornou-se filosófico. Poetas e filósofos zen-budistas (os dois termos são amplamente intercambiáveis ​​no Japão) observaram ao longo dos séculos a afinidade entre o vaga-lume e um conceito central no zen: a brevidade da vida. O Zen não pensa em nossa transitoriedade como trágica, ao contrário, é acomodando-nos graciosamente à nossa própria evanescência que podemos alcançar a iluminação e a harmonia com as necessidades da natureza.

Para o Zen, o vaga-lume é o símbolo perfeito da transitoriedade interpretado positivamente: sua estação é muito breve, ele acende apenas no alto verão e sua luz parece sempre piscar. Os vaga-lumes são frágeis – e surpreendentemente bonitos quando vistos em grande número em uma floresta de pinheiros ou um prado à noite. Eles são uma metáfora para nossas próprias vidas comoventes.

O movimento de localizar temas filosóficos importantes no mundo natural é aquele que o Zen faz repetidas vezes, por exemplo, em relação ao bambu (evocativo de resiliência), água (um símbolo de força paciente, capaz de desgastar a pedra) e flor de cerejeira (um emblema do êxtase modesto). O Zen pendura repetidamente sua ideologia em coisas que podem parecer à primeira vista muito menores, porque ele quer fazer uso do que é mais comum à nossa vista para nos manter amarrados a suas grandes verdades batéticas.

O grande poeta do século XVII, Matsuo Basho, afasta nossa vaidade e ambições egoístas do dia a dia na esperança de que possamos nos tornar, por meio de seu foco em uma pequena criatura de vida curta, apropriadamente atentos à nossa própria finitude.

Para o zen-budismo, o vaga-lume é o portador ideal – em suas asas delgadas – de lembretes da necessidade de resignação digna em face do poder e mistério da ordem natural. Koyabashi Issa, um sacerdote budista do século 18 e mestre de haiku, escreveu 230 poemas sobre vaga-lumes. Em um dos mais celebrados deles, ele capta um momento em que o tempo se acalma momentaneamente, para que sua passagem seja mais visceralmente sentida:

É um minúsculo momento de satori ou iluminação; o sapo fica tão maravilhado quanto o poeta com a luz penetrante dos bravos vaga-lumes condenados – por mais que devêssemos estar maravilhados, assustados, gratos e, em última análise, felizes por ter recebido alguns breves momentos para contemplar e tentar entender nossa própria existência em um universo sempre amplamente insondável de 13,8 bilhões de anos.

FONTE: The School of Life