• 30 agosto, 2019

Por que o paizão de hoje será um avô melhor4 min

Viver plenamente a criação dos filhos é uma ótima maneira de ser feliz em qualquer idade.

Muitos adultos lembram do pai como um cara supertrabalhador, que só era visto de noite e nos passeios do fim de semana, e que não se envolvia muito com as brincadeiras de casa ou as tarefas da escola. Quem tem filhos hoje, porém, tem uma visão bem diferente da paternidade, mais lúdica e mais íntima, na qual o homem participa muito mais da vida das crianças.

“Acho que essa história de olhar o pai como o provedor já não cabe mais. A paternidade não é só uma relação entre pais e filhos, mas uma nova forma de olhar para a vida, de fazer parte da construção de um novo ser”, afirma o naturólogo Tiago Kosch, pai da Iara, de 3 anos, e idealizador do Projeto Homem Paterno.

Dia dos Pais – Viver plenamente a criação dos filhos é uma ótima maneira de ser feliz em qualquer idade.

O médico e psicólogo Roberto Debski concorda. “O ser profissional tem um peso muito grande na identidade de um homem. O problema disso é que, quando essa pessoa se aposenta, perde essa referência. Ao envelhecer sem ter formado vínculos afetivos fortes, muitos não se sentem mais ‘úteis’, por isso adoecem e sofrem com problemas como a depressão.”

Tiago conta que o trabalho foi um dos primeiros aspectos que ele repensou depois de ser pai – tanto que ele deixou o seu emprego para ter uma agenda mais flexível e se dedicar a um projeto que fazia mais sentido para ele. “A paternidade deu uma sacudida na minha vida. Depois que minha filha nasceu, percebi que estava trabalhando mais do que eu queria. Isso me incomodava bastante e pesava muito para a minha mulher.”

Rafael Teixeira, pai de um bebê de menos de 1 ano de idade fala o que é paternidade para ele

Ter mais tempo para cultivar a relação com o filho também é prioridade para o jornalista Rafael Teixeira, pai do Joaquim, de 10 meses. “Aqui em casa, a gente vai se revezando de acordo com o dia: enquanto um trabalha, o outro fica com o bebê”, conta. “Eu não posso dar o peito, mas não troco por nada a hora de tomar banho com ele no chuveiro, porque é o momento de ter também o meu vínculo nesse contato de pele.”

Esse envolvimento do pai com a criança é fundamental, pontua Roberto. “Do parto até os dois anos, as funções maternas de nutrir e proteger o bebê predominam, por isso a relação com a mãe é mais forte. Mas o pai também tem a sua função, que é complementar. É a de brincadeira, aventura, de mostrar o mundo para os filhos. É um vínculo diferente, mas ambos são igualmente importantes para a criança.”

Ao compartilhar essas experiências com os amigos e a família, os pais abrem uma oportunidade para estreitar outros vínculos afetivos – um ponto muito importante para a saúde emocional tanto na vida adulta como na velhice. “Um bebê vira um ímã na família, né? Depois que o Joaquim nasceu, falo muito mais com a minha mãe, que mora em Minas, e ela vem bem mais vezes ao Rio para visitar a gente”, diz Rafael.

Rafael Teixeira, pai de uma criança de 3 anos de idade fala o que é paternidade para ele

Pra Roberto, essa dinâmica é extremamente positiva para o bem-estar do homem ao longo dos anos. “Os filhos crescem e vão para o mundo, mas os vínculos que são cultivados e fortalecidos durante a vida não se desfazem. Eles são extremamente importantes para uma boa saúde emocional.”

A felicidade, em qualquer momento da vida, também é uma questão de sentir que a nossa vivência tem um propósito. Nesse sentido, nutrir uma boa relação com os filhos é uma maneira de o homem transcender a velha visão de que sua única função é ganhar dinheiro e sustentar a casa.

“Acredito muito no pai como alguém que transforma, uma pessoa que define um ideal e pensa ‘o que eu quero somar, como pai, neste mundo?’”, afirma Tiago. “No momento em que você se sente pai, nasce também um senso de autocuidado, uma vontade de ser amado, de ser feliz, de entender qual é o legado que você quer deixar. Ter orgulho da nossa história é um grande incentivo para viver mais e melhor.”

A seguir, Tiago e Rafael contam como vivem a sua experiência de paternidade de uma maneira plena e genuína. E para você, o que significa ser pai?

Fonte: Viva a Longevidade