• 25 setembro, 2021

Como iniciar uma conversa e tornar momentos sociais mais confortáveis8 min

Você sabe como iniciar uma conversa com alguém que nunca viu antes? Ou aquela pessoa que se tornou uma conhecida, mas com quem você não tem intimidade? Muitos podem achar que não há nada de mais nessa situação, mas há quem se sinta extremamente desconfortável em interações sociais cotidianas.

Iniciar e manter uma conversa podem ser motivos de grande ansiedade. Afinal, como saber o que a outra pessoa está pensando? O desconforto de quem é socialmente ansioso na verdade não está relacionado ao outro ou ao ambiente, mas, sim, a ele mesmo.

Neste post, você vai entender porque algumas pessoas se estressam quando interagem com outras e como reduzir o desconforto nas interações sociais.

Por que é difícil saber como iniciar uma conversa?
A conversa é a troca de informações, galanteios e opiniões entre duas ou mais pessoas. Em algumas culturas, “jogar conversa fora” é extremamente valorizado.

Nos Estados Unidos, por exemplo, o small talk (conversa fiada, sem propósito) é praticado excessivamente entre conhecidos e desconhecidos. A aproximação começa com um elogio ou um comentário sobre o tempo, desenvolvendo-se para uma conversa sobre os afazeres do dia, o bairro onde mora, o trabalho, entre outros assuntos.

As palavras surgem com facilidade e encaixam-se tão perfeitamente que o assunto parece que nunca vai acabar, mesmo sendo uma conversa breve. Entretanto, nem todos dominam essa fluidez da fala.

Para pessoas ansiosas, tímidas ou muito introvertidas é um desafio saber exatamente como iniciar uma conversa. Os pensamentos empilham dentro de suas cabeças, deixando-os nervosos durante um momento social. O nervosismo aparente acaba atrapalhando as suas conversas e, por vezes, impedindo laços de amizade ou afetivos de se desenvolverem.

“Quais comentários fazer?”, “O que fazer se a outra pessoa fizer cara feia?”, “E se ela me ignorar?” e “Será que vou incomodar?” são alguns exemplos de pensamentos ansiosos que prejudicam as interações sociais desse grupo de indivíduos.

Eles são causados, acima de tudo, pela ansiedade. Por meio dela se manifestam sentimentos e emoções de caráter negativo, como o pessimismo, a insegurança, o medo do julgamento e a vergonha. Assim, simplesmente refletir sobre como iniciar uma conversa se torna um problema de proporções gigantescas.

Empecilhos para a socialização

Se você se encaixa no grupo de indivíduos que não consegue dialogar com os outros, não se preocupe. Pessoas que possuem dificuldade de socialização costumam se sentir mal por serem socialmente inaptas. Comentários desagradáveis (“Estranho”, “Metido” e “Desajeitado”) contribuem para a fixação das opiniões negativas.

Mas não saber como interagir com os outros é um problema muito comum, compartilhado por milhares de pessoas. Você pode ser simplesmente uma pessoa mais introspectiva, que prefere observar e contemplar em vez de participar. Não há nada de errado com isso.

Quando conversar se torna desgastante e um motivo para evitar encontrar qualquer pessoa fora do ambiente seguro do lar, essa falta de jeito se torna um problema.

Querendo ou não, vivemos em uma sociedade que precisa de constante troca de favores para que a sobrevivência seja garantida. Saber como iniciar uma conversa não é somente uma questão de cordialidade, mas, sim, de formar conexões úteis para sobreviver, crescer e prosperar.

Em seguida, veja os principais empecilhos para a socialização sadia. Eles vão ajudá-lo a identificar quais elementos estão presentes em sua vida.

Timidez excessiva

A pessoa tímida ao extremo não sabe como iniciar uma conversa com alguém desconhecido, mesmo quando precisa interagir com outra pessoa para resolver um perrengue. Quando consegue manter uma conexão, sente-se nervosa até o fim da conversa e não diz o que gostaria de ter falado.

O medo do julgamento alheio acaba afetando os seus relacionamentos, o desempenho profissional e acadêmico e, ainda, o seu aproveitamento da vida.

Fobia Social

A fobia social consiste no medo e na ansiedade de se expor a determinados contextos sociais, resultando no isolamento ou em condutas esquivas. A pessoa com essa fobia teme ser alvo de humilhações e sente vergonha simplesmente por ser quem é. A preocupação é tão intensa que acompanha sintomas físicos, como falta de ar, sudorese, tontura, tremores e ânsia de vômito.

Agorafobia

A agorafobia é semelhante à fobia social, só que voltada para o medo de ficar em locais públicos ou movimentados sem uma possibilidade de escape à vista. Esse transtorno leva ao isolamento social e, em casos severos, ao medo de deixar a própria casa.

Locais que podem acarretar uma crise de ansiedade são: mercados, shoppings, fila de estabelecimentos cheios (banco, padaria em horário de pico), teatro, cinema, sala de aula, entre outros.

Ansiedade

A ansiedade patológica torna o cotidiano das pessoas que sofrem com ela menos proveitoso, alegre e produtivo. Isso porque ela promove a desordem emocional e a desconexão de pensamentos, transformando atividades simples em desafios intimidadores.

Ela também atrapalha as interações sociais e o aprofundamento de laços de amizade. Como a pessoa não consegue se comunicar direito, passa a evitar momentos de socialização que geram desconforto.

Síndrome do Pânico

A Síndrome do Pânico ocasiona crises de ansiedade súbitas, aumentando o desconforto da pessoa com pânico em ambientes sociais. Dessa forma, ela começa a passar mais tempo em casa e a evitar amigos e familiares para não encontrar gatilhos.

Baixa autoestima

A falta de autoestima gera problemas que se espalham por várias áreas da vida. A pessoa com baixa autoestima não consegue se relacionar com os outros porque se acha inferior, se acha feia, se acha desinteressante, entre outras dezenas de defeitos que habitam somente em sua cabeça.

Como iniciar uma conversa?

Iniciar uma conversa não é tão difícil quanto parece. Tampouco é assustador.

Apesar de existirem pessoas que reparam em condutas e na aparência com atenção minuciosa, a maioria não se importa com esses detalhes. O conteúdo da fala e a qualidade das sensações proporcionadas pelas interações são mais importantes. São esses elementos que ficarão na memória das outras pessoas.

Para proporcioná-los, você pode praticar como iniciar uma conversa. Isso mesmo, a prática é uma excelente maneira de acabar com o estresse nos momentos sociais! 

As dicas abaixo têm o intuito de reduzir o seu desconforto nas interações sociais e, ainda, promover a prática do diálogo. 

 Respire profundamente

Se você fica muito nervoso ao conversar com as pessoas, pratique a respiração profunda diariamente. A prática facilita a execução de técnicas de relaxamento, aprimorando o seu desempenho para quando realmente forem necessárias. 

Antes de sair de casa ou de abordar alguém, respire profundamente (com descrição, se desejar) para tranquilizar-se e conseguir pensar logicamente durante uma conversa.  

Jogue conversa fora

A maioria das pessoas não está interessada em conversas profundas. Elas nem chegam a lembrar do assunto conversado quando voltam para casa ou minutos depois de cessar o diálogo. Isso porque a “conversa fiada”, ou a small talk vista anteriormente, tem a intenção de distrair e entreter as pessoas em momentos de ócio.

Na fila do caixa, no restaurante, na chegada do entregador de comida, no transporte público, entre outros contextos sociais, as pessoas só querem passar o tempo. 

Nessas situações, você pode falar sobre o que fez no dia anterior (uma refeição, um hobby, uma conversa sobre um assunto do momento), comentar sobre o clima ou compartilhar uma pendência que esteja a caminho de fazer.

Faça perguntas

Depois do primeiro contato, deixe que a outra pessoa fale. Conduza a conversa por meio de perguntas sobre sua profissão, um interesse, o local onde estiverem e um tópico bastante discutido no momento.

Sempre está acontecendo alguma coisa no mundo e as pessoas adoram falar sobre temas populares, como programas de TV, músicas e tendências virtuais de aplicativos. Faça perguntas sobre isso e acrescente comentários, se quiser. Lembre-se, contudo, de manter a conversa leve. 

Se a outra pessoa não se demonstrar aberta para respondê-lo, tudo bem. Não force a barra e fique na sua. Você pode se sentir levemente constrangido, mas ignore essa sensação. Interações como essa acontecem o tempo inteiro.

Compartilhe os seus interesses

icamos mais felizes quando falamos sobre o que gostamos! Por isso, converse sobre o seu esporte favorito, um hobby que adora ou o último filme que viu e gostou.

Compartilhe as suas opiniões sobre as séries, programas de TV, livros ou músicas consumidos recentemente. Se a outra pessoa tiver feito o mesmo, a conversa ficará bem gostosa! Além disso, para criar intimidade com alguém, pergunte sobre os gostos dele e mostre interesse em saber mais.

Puxe assunto com várias pessoas
Essa dica pode ser assustadora para quem não está acostumado a se socializar com frequência. No entanto, um ótimo jeito de aprender como iniciar uma conversa sem ficar nervoso é puxar assunto com diversas pessoas. Entregadores, garçons, atendentes de caixa, porteiros, motoristas e funcionários de lojas…

Faça testes e desafios silenciosos consigo mesmo e jogue conversa fora com o máximo possível de pessoas. A maioria fica feliz por ter uma distração da mesmice da rotina de trabalho. Se encontrar alguém mal humorado, simplesmente passe para a próxima pessoa.

Eventualmente, você se acostumará com o exercício e se sentirá mais à vontade para iniciar conversas com conhecidos e desconhecidos.

Fonte: Vittude