• 30 maio, 2020

A hora é ótima para aprendermos a comer melhor3 min

A alimentação durante o período de confinamento por causa da pandemia da Covid-19 preocupa muita gente. A ansiedade causada pela situação, a diminuição da prática de atividade física e a limitação de alimentos, por causa das idas mais raras ao supermercado, podem acender uma luz vermelha para alguns. Mas, segundo os nutricionistas Humberto Nicastro, da Care Club Ibirapuera, e Denise Entrudo, da Care Club Porto Alegre, é hora de aproveitar a realidade temporária para transformar a nossa relação com a alimentação, e torná-la, depois que tudo passar, ainda mais saudável.

“Neste momento, nossa dieta não pode ser engessada ou restritiva, tem de ser mais ampla, mais aberta”, diz Nicastro. “Não podemos pensar em estética ou performance, mas sim em bons hábitos alimentares.”

Para o nutricionista, dietas da moda são perigosas em qualquer período, e mais ainda agora. “Estamos fora da nossa rotina, confinados em casa, e precisamos aproveitar a oportunidade para exercitarmos, também na alimentação, os hábitos que no geral não temos tempo de construir, com a rotina corrida de trabalho”, ele diz. “Não podemos pensar que este é um tempo perdido, ao contrário. Alimentação é conforto, prazer, bem-estar e socialização. Quando estamos em nossas rotinas normais, trabalhando e treinando, deixamos isso para os finais de semana. Pois agora temos tempo para exercitar este prazer com a comida todos os dias, em casa. Vamos aproveitar para buscar conforto na alimentação, de maneira mais saudável. Se no geral você compra um hambúrguer já pronto em uma hamburgueria, aproveite agora para fazer seu próprio hambúrguer. Descubra nossos ingredientes, novos prazeres.”

Praticante de triatlo e vegetariana, a nutricionista Denise Entrudo concorda com o colega. “É o momento ideal para aprendermos a comer, para praticarmos a cozinhoterapia e nos educarmos”, ela diz. Denise indica comer o máximo de comida de verdade possível. “E seja mais gentil com você mesmo, cobre-se menos e permita-se mais. Se cometeu um excesso na alimentação e comeu o que não devia, não se culpe tanto, releve e tente sempre melhorar, mas sem excessos de cobrança.”

A nutricionista lembra que é importante estar atento às nossas emoções e desejos. “Muitas vezes, é melhor sucumbir à vontade com certo controle, do que negá-la. Tem gente que, para não sucumbir à vontade de comer um brigadeiro, ataca uma panela inteira de brigadeiro fit. Não vale a pena.”

Para Denise, uma das coisas mais bacanas que podemos levar de saldo desta pandemia é aprender a cozinhar, a programar nossa alimentação e nos relacionar com a comida de maneira mais prazerosa.

Nicastro indica, durante o confinamento, reduzir calorias e aumentar a ingestão de proteína ao longo do dia. “Suplementos proteicos podem ser uma boa opção, uma alternativa para lanches intermediários”, ele diz. “Mas não recomendo trocar refeições por shakes ou suplementos de proteína. É importante manter a mastigação, que ajuda muito na ansiedade. Prefira usar os suplementos, se for o caso, em preparos de alimentos.”

Sobre o consumo de álcool, Denise lembra que a maioria das bebidas alcoólicas é

calórica. “Além disso, ele é inflamatório e costuma alterar a flora intestinal. Portanto, deve-se beber moderadamente, desde que sua condição física permita. O problema do álcool é o abuso.”

FONTE: Care Club